Home 9 Blog 9 Compras em uma loja colonial

O fato de que o capitalismo global dominado pelo Ocidente ainda é largamente baseado em estruturas estabelecidas na época colonial é simbolizado hoje pelos abacates, mangas ou maracujás importados a baixo custo que se amontoam nas vitrines do centro comercial do comerciante de produtos coloniais - Edeka, para abreviar.

Foto:https://kulturshaker.de/global/postkolonialismus/

Além da persistência aparentemente banal de tais marcas entrelaçadas com o colonialismo europeu, as relações entre o Norte global e os países do Sul global ainda são marcadas por relações de poder desiguais em todos os níveis.
As sociedades ocidentais e a classe dominante mundial possuem poder econômico, político e científico.
Eles também dominam a cobertura da mídia e lucram de muitas maneiras com as estruturas pós-coloniais e as relações de dependência. Estes parecem particularmente drásticos no que diz respeito à distribuição global da riqueza. Enquanto os países do Sul global estão sendo cada vez mais sangrados, a loja de dinheiro do chamado Ocidente está literalmente inflando, de modo que hoje 0,9% da população mundial possui 43,9% da riqueza global. Os 56,6% mais pobres, por outro lado, possuem apenas 1,8% dessa riqueza.

Foto: https://worldmapper.org/

Tais desigualdades sociais gritantes resultam de uma teia de dominância ocidental de mercados internacionais de capital e produtos. Os cidadãos do Norte global não representam apenas os clientes mais importantes do mundo e, portanto, influenciam o fornecimento em grande parte; através de injustos 

acordos comerciais e padrões duplos na atividade econômica, o Ocidente está ajudando a fortalecer ainda mais as estruturas de desvantagem.
Enquanto a Lindt na Suíça produz chocolates finos com grãos de cacau da África Ocidental e os mercados de Camarões e Gana estão literalmente inundados com trigo subsidiado, leite em pó e os coxins de frango mais baratos, os países do sul global perdem a chance de estabelecer mercados independentes e de produzir produtos complexos a partir de suas matérias-primas.

Este sistema multiple de práticas protecionistas e subsídios aos próprios produtos por parte dos mercados ocidentais, ao mesmo tempo em que abre e desenvolve o Sul global como mercados de venda, significa que o pequeno agricultor no Zimbábue ou o produtor de café na Colômbia permanecem sempre dependentes do mercado mundial dominado pelo Ocidente. Além disso, a auto-imagem do Ocidente como salvador do mundo ou curador da paz é mantida através de cerca de cento e cinqüenta bilhões de dólares de dinheiro de ajuda ao desenvolvimento mobilizados anualmente pela OCDE, enquanto velhas imagens de dependência permanecem.

Wie können Sie sich diese Struktur vorstellen?

Você pode pensar na relação entre o Norte e o Sul global como um balançar ou um paternoster, onde mais de um sempre leva a menos do outro. E quem negaria que ele ou ela não se beneficia em muitos aspectos de tal desequilíbrio de poder? O café acabado de fazer pela manhã, a oferta de barganha nas grandes cadeias da moda como H&M ou a vantajosa taxa de câmbio em outros países europeus são tão comuns para a maioria de nós que não são mais percebidos como privilégios. Privilégios que ao mesmo tempo andam sempre de mãos dadas com estruturas de injustiça e realidades precárias da vida.

Em um mundo tão complexo como o nosso, parece a conclusão lógica de nos refugiarmos em uma concha de nacionalismo e desapego da realidade, dada nossa responsabilidade compartilhada como cidadãos do Ocidente nos eventos mundiais diários da agricultura de corte e queimada para mais pastagem de gado, fome no Oriente Médio devido a guerras motivadas geopoliticamente, e montanhas de lixo na Indonésia. Mas, dada a diversidade de camadas de vida de cada indivíduo e as múltiplas crises do mundo globalizado resultantes de nossos estilos de vida, é cada vez mais difícil colocar os cegos e simplesmente continuar como estamos …mehr

Notícias & Atualizações

Brasil em mim

Brasil em mim

Nos postos seguintes, informarei sobre meu tempo com o serviço voluntário "kulturweit" da Comissão alemã da UNESCO e do Ministério das Relações Exteriores, que passei em Belo Horizonte, Brasil, de setembro de 2019 a abril de 2020. Eu descrevo...

A Espanha em foco

A Espanha em foco

Matilde (80 Jahre) lebt in einer kleinen Wohnung mitten im Zentrum von Madrid. Sie hat die letzten Monate lang ihre Wohnung nur verlassen, um Einkaufen...

A visita inesperada

A visita inesperada

Wenn wir einen unerwarteten Besuch erhalten, fühlen sich viele von uns unangenehm, weil sie uns ohne Maske oder Make-up in unserer eigenen Realität...